88% dos consumidores brasileiros estão dispostos a compartilhar dados em troca de ofertas exclusivas

Em pesquisa com 946 consumidores brasileiros recém-conduzida pela dunnhumby, líder global em ciência do consumidor, 88% dos entrevistados afirmaram estar dispostos a compartilhar seus dados pessoais e de consumo com empresas para receber descontos e ofertas exclusivas e 77% fariam o mesmo em troca de pontos em programas de fidelidade.

Os resultados demonstram que, nos últimos três anos, houve um aumento significativo no número de brasileiros dispostos a compartilhar seus dados com empresas mediante benefícios como descontos, ofertas e personalização do serviço. Em pesquisa com 3.900 consumidores brasileiros realizada em 2013 pela Coleman Parkes, apenas 39% declararam ter interesse em disponibilizar dados em troca de ofertas exclusivas e 38% compartilhariam dados para receber recompensas em programas de fidelidade.

A dunnhumby também descobriu que há certa uniformidade no comportamento das gerações Z, Y, X e Baby Boomer nesta área (vide tabela ao final do texto). Isso demonstra que estratégias que envolvem a coleta e o uso de dados do consumidor para a criação de ofertas personalizadas e programas de fidelidade não devem se restringir a faixas etárias, já que pessoas de todas as idades estão dispostas a participar. É preciso, no entanto, adequar as ações às peculiaridades de cada grupo.

Qualidade da personalização

No cenário mundial, conforme descrito pela Aimia em seu Global Loyalty Lens Report, em 2015, 80% dos 20.000 consumidores entrevistados afirmam ter interesse em ceder seus dados em troca de benefícios, mas apenas 8% sentem que as empresas providenciaram um bom retorno e somente 23% afirmaram terem recebido mensagens relevantes das empresas.

Esses dados merecem toda a atenção das empresas que querem se destacar por meio de suas estratégias de CRM, pois os consumidores estão interessados, mas seus dados devem ser utilizados da melhor maneira possível; é preciso oferecer ofertas verdadeiramente relevantes e descontos efetivos. Não basta coletar informações, é necessário processá-las e analisá-las com atenção.

O consumidor não se interessa só por recompensas financeiras: segundo a pesquisa da dunnhumby, 69% também cederiam seus dados para receber informações e novidades sobre os produtos e serviços de que o cliente gosta e 65% se interessam por sugestões de produtos baseadas em seu gosto pessoal. É importante lembrar que não adianta enviar qualquer tipo de conteúdo. Essas ações deve ser muito bem planejadas e totalmente alinhadas às preferências do cliente, caso contrário gera-se mais ruído do que benefícios.

O consumidor contemporâneo é consciente, sabe o valor de seus dados para as empresas e por isso espera um retorno à altura. De acordo com a pesquisa, 65% dos consumidores acreditam que as empresas estão buscando conhecer cada vez melhor seus consumidores.  Ofertas e comunicação personalizadas destacam-se nesse cenário.

Programas de fidelidade na crise

O segundo fator que mais motiva os brasileiros a compartilharem seus dados, logo atrás dos descontos e ofertas exclusivas, é a obtenção de pontos em programas de fidelidade, que interessa a 77% dos consumidores entrevistados.

Atualmente, segundo a dunnhumby, 41% dos clientes de programas de fidelidade do varejo no Brasil disseram que comprariam em outro local caso o programa da rede onde consomem fosse encerrado – o que demonstra a relevância dessas iniciativas para o brasileiro. No Reino Unido este número é de apenas 21%.

Durante a crise, os programas de fidelidade podem fazer a diferença, já que, em meio à diminuição de consumo e às medidas de contenção tomadas pelo consumidor, o setor cresceu – segundo a ABEMF (Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização), em 2015 houve aumento de 22% do número de cadastros em programas de fidelidade nos últimos 12 meses.

A dunnhumby estima que 30% dos lares do Brasil participam de programas de fidelidade, enquanto em mercados maduros como o Reino Unido e os Estados Unidos, as taxas chegam a 90% de penetração dos lares.

Abaixo estão os principais achados da dunnhumby sobre o tema:

  • As gerações apresentam níveis semelhantes de disposição a compartilhar dados, mas cada uma delas tem suas peculiaridades, como se vê na tabela abaixo:

Porcentagens de consumidores dispostos a compartilhar dados mediante diferentes tipos de vantagem:

ecommerce_01

  • Atualmente, 88% dos consumidores brasileiros estão dispostos a compartilhar seus dados com empresas para receber descontos e ofertas exclusivas (aumento de 49% com relação a 2013);
  • 77% também estão dispostos a compartilhar seus dados com empresas em troca de pontos em programas de fidelidade (aumento de 39% com relação a 2013);
  • 69% cederiam seus dados para receber informações e novidades sobre os produtos e serviços de que o cliente gosta;
  • 65% se interessam por sugestões de produtos baseadas em seu gosto pessoal;
  • 41% dos clientes de programas de fidelidade do varejo no Brasil comprariam em outro local caso o programa da rede onde consomem fosse encerrado. No Reino Unido este número é de apenas 21%.
  • Somente 30% dos lares brasileiros participam de programas de fidelidade. Em mercados maduros como os Estados Unidos e o Reino Unido, as taxas chegam a 90% de penetração.

Fonte: Ecommerce Brasil

Regras para cobrança do ICMS em janeiro de 2016

O CONFAZ, Conselho Nacional de Política Fazendária, reuniu hoje para definir a padronização do sistema tributário e de antecipação do recolhimento do ICMS. Continue Lendo “Regras para cobrança do ICMS em janeiro de 2016”

Veja os números do eCommerce Brasileiro

Pelo número de clientes que tem procurado a PlanoCOM para iniciar um e-commerce, resolvi criar este post com algumas informações importantes sobre o e-commerce no Brasil.

Dependendo dos produtos podemos até implementar conversões de moedas para vender a outros países. Essa dificuldade não é significativa para o empreendedor se o produto for competitivo no mercado global.
Seguem abaixo mais algumas informações que irão aumentar, não só a segurança, mas o entusiasmo para seu investimento em uma loja virtual:

  • Realizaram pelo menos uma compra online em 2014: 51,5 milhões de internautas;
  • Fizeram compras online pela primeira vez em 2014: 10,2 milhões de internautas;
  • Quem compra mais? Classes A e B (62%). Classes C e D (27%);
  • Qual sexo compra mais? Mulheres (57%)
  • Qual faixa etária compra mais? 35 a 49 anos
  • Quais as 3 categorias que mais vendem?
    > Moda e Acessórios (33%)
    > Casa e Decoração (19%)
    > Informática (12%)
  • Faturamento acumulado do Natal 2014: R$ 35,8 milhões (ticket médio de 451,00)
  • Evolução de vendas mobile:
    Jan/13 > 4,8%
    Jan/14 > 7%
    jan/15 > 9,7%
  • Cinco Principais destinos das vendas de e-commerce no Brasil:
    SP – 86%
    RJ – 71%
    MG – 64%
    PR – 38%
    RS – 34%
  • Qual região cresceu e qual diminuiu para a sede dos e-commerces:
    Nordeste – cresceu de 8,4% para 10%
    Sudeste – caiu de 63,3% para 58%
  • Principais canais de atendimento no e-commerce:
    1º. Email
    2º. Redes Sociais
    3º. Telefone
    4º. Chat
    5º. Whatsapp
    6º. Blog
    ecommerce
  • Principais motivos da Logística Reversa:
    1º. Troca de Produto por Tamanho e Cor (32%)
    2º. Defeito do Produto (25%)
    3º. Arrependimento (25%)
    4º. Produto Danificado (23%)
    5º. Pedido Incorreto (21%)
    6º. Outros (20%)
  • Taxa de conversão: Diminuiu para 1,5% em 2015 (2014 era 1,7%).
  • Taxa de abandono de carrinho: caiu para 38% em 2015 (2014 era de 38%)

Estas estatísticas são referentes a uma pesquisa realizada pelo SEBRAE em julho de 2015 em parceria com o e-Commerce Brasil.

Mas está claro que o Brasileiro está convertendo cada dia mais para as compras online.

As lojas que ainda não começaram a pensar em e-commerce já estão atrasadas. Inclusive uma estatística que me assustou muito foi quando a GoDaddy, neste ano de 2015, verificou que 59% das microempresas não possuem nem página na web.

Dê o primeiro passo para fazer seu negócio dar lucro na internet. Preencha o formulário abaixo que eu entro em contato com você.

59% das microempresas não possuem uma página na web

Fiquei muito impressionado com a pesquisa realizada pela GoDaddy para conhecer como os microempresários estavam usando a internet como apoio.

Foi revelado que 59% dos participantes disseram que não possuem seu próprio site.

“Enquanto temos certeza de que todos estão online, a realidade é que para muitos pequenos negócios isso simplesmente não é verdade”, comentou Blake Irving (TBD), CEO da GoDaddy. “O que fica claro é que esses micro negócios estão percebendo que se eles não se engajarem online por completo, eles estarão em desvantagem competitiva”.

A pesquisa teve um público de 4.000 micro empresários, onde as empresas tinham 5 funcionários ou menos. São exatamente estes empresários que precisam de ferramenta de baixo custo, como a internet, para aumentar a capilaridade de seus negócios. A estatística por ser global compõe a amostragem nos países Austrália, Brasil, Canadá, Índia, México, Turquia, Reino Unido e Estados Unidos.

Outra revelação de miopia destes microempresários é que 35% dos deles disseram que acreditam que suas empresas são pequenas demais para ter uma página na web. Mas, ao mesmo tempo, muitos microempresários afirmaram que entendem que estão em desvantagem competitiva por não ter seu próprio site.

E-commerce_box6

Abaixo as principais estatísticas da pesquisa:

  • 55% afirmou que tem a intenção de criar seu próprio site nos próximos dois anos;
  • 48% acredita que seus negócios crescerão 25% ou mais nos próximos 3 a 5 anos;
  • 81% afirmou que espera crescimento de 10% ou mais. Não são expectativas irreais – dos que já possuem website, 59% afirmou que seu negócio cresceu uma vez que construíram seu site;
  • 48% disse que tem a intenção de vender seus produtos em seus sites (e-commerce), dentro de um ano de lançamento da página;
  • 52% afirma que a criação de um site irá expandir sua base de clientes localmente, enquanto um em dez acredita que irá expandir a base de clientes nacional e internacionalmente;
  • 84% acredita que é importante que seus novos sites sejam compatíveis para o formato mobile.

Enfim, 59% de microempresários que precisam de ferramentas e estão mal assessorados.

Importante escolher uma empresa séria para te apoiar no crescimento de suas metas.

Leia: 10 Dicas para contratar uma Agência Digital

Estimativa do e-commerce para 2015? ….. R$ 43 milhões =)

e-commerce fecha estimativa para fechar 2015 com R$ 43 milhões em vendas. Quase 17% a mais que 2014.

ecommerceCom a maior taxa de crescimento do e-commerce no mundo, O Brasil está diante de uma estimativa de fechamento em R$ 43 milhões para 2015.

O interessante desta pesquisa realizada pelo e-bit é que as principais responsáveis por este número não são as grandes lojas virtuais. E sim as pequenas e médias.

Observando o cenário chegamos a uma conclusão democrática em empreender na internet, onde o potencial e espaço deste mercado está em franca expansão.

Veja o gráfico abaixo:ecommerce

Quer criar o seu e-commerce? Converse com a PlanoCOM!
Preencha o formulário abaixo que entraremos em contato: